ESSE BLOG NÃO PERTENCE SÓ AO POETA, ELE É DE TODOS NÓS

sábado, 12 de agosto de 2017

LOBA DOS VENTOS



LOBA DOS VENTOS 

Mulher que trilhou caminhos
Enfrentou tempestades
E chorou garoas
Aprendeu com amor
Que não existe sem dor
Sabe  celebrar com vinho
a dialética que voa  
com melodia as saudades

Desde tempos da Estudântina
Insegurança do vestido rodado
Vira bandeira na roda da vida
Vela do veleiro da jornada
Dá-se  movimento a sua sina
Graça ao servir o amado
Agora Loba de sorriso menina

Linda de divinos peitos
Faz do estigma pintura
Cuja  imagem revela
A arte que vem de sua luz
Assim sua alma fotografa
Gestos, um balé do seu jeito.
Coreografia com lisura
A fé faz do corpo capela

Mistura-se ao vento
De fêmea e guerreira
E vaga seu olhar
Assim sorriso aflora
Quando o suspiro bento
Deixa a loba e arteira
A faz sensual como ar
Pelos sopros de Oyá
SÉRGIO CUMINO – POETA DE AYRÁ

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

PERDER-SE




 PERDER-SE 


Quando o legado

Doce ou amargo

De espinhos cravados

No peito do cravo

Na fúria da rosa

Aos sinuosos passos

Assim me reviso

Encanto dos afagos

Sem deixar magoas vil

Fazerem seus estragos

Sabido que preciso

É graça da  prosa

Bons nortes delegam

O deleite do olhar doce

Ousadia da mão levada

Sussurro ao pé do ouvido

Semeado pelo suspiro

De desejos atrevidos

anseio de ser amada

Fluindo sobre água rio

O amor impreciso

Desse sonho alado

Conflitos como fado

Fortalece a ternura do laço

Do oceano da adorada

Discurso do calafrio

Pelo tempo cupido

Paradigma rompido

Na fadiga da alvorada

Casam os sentidos

Juntos de mãos dadas

Avistam a fronte

O sorriso dos rumos

Supremacia esperada

Tempera a libido

Do adocicado sumo

Que fica na saliva

Do murmúrio que a ama

Da-se sentido a impressão

Como a marcar que revela

Liberta a poesia

Da qualidade a emoção

Eleva o alento ao cio

E ao amor pura devoção

SÉRGIO CUMINO – POETA A FLOR & A PELE


quinta-feira, 27 de julho de 2017

DIÁRIO DO POETA DE AYRÁ




DIÁRIO DO POETA DE AYRÁ



Surge pelos sentidos

Como profecia de Orunmilá

O cosmo por onde passo

no momento do regaço

Dilema do que eu faço

rasgando me aos pedaços

sem saber se vou para cá

ou às hipótese de acolá



Ajustando os pedidos

manifesto querer chegar

A cada divino com seu afago

Bará ao seu trago

Cônscio de todo o vasto

Atento aos meus embargos

Tirou-me do estado de pedra

Ayrá autorizou me buscar



Oxum me manha com brilho

Dando poesia ao caminhar

Ogum faz dos trilhos atalho

Ao lado de Ode e seu Arco

Iemanjá fez do colo um barco

um ninho de amor agitado

Temperado com dendê de Oyá

E o gosto de viver e amar.



SÉRGIO CUMINO – POETA DE AYRÁ